Covid-19 – Plano de desconfinamento – 19 de abril

Conselho de Ministros aprovou o decreto que regulamenta o estado de emergência decretado pelo Presidente da República, entrando em no dia 19 de abril de 2021.

Atendendo ao estado epidemiológico do país bem como à taxa de incidência dos concelhos que merecem mais atenção e o seu prolongamento no tempo, as medidas de combate à pandemia, a partir do dia 19 de abril, serão aplicadas em conformidade com os seguintes níveis:

Um primeiro nível, em que o plano de desconfinamento recua para a fase anterior. Neste patamar, encontram-se os concelhos que, pela segunda avaliação quinzenal consecutiva, se encontram com uma taxa de incidência superior a 240 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Deste grupo fazem parte os concelhos de Moura, Odemira, Portimão e Rio Maior.

Um segundo nível, em que o plano de desconfinamento não avança para a fase seguinte nem retrocede. Nesta categoria estão os concelhos que, pela segunda avaliação quinzenal consecutiva, se encontram com uma taxa de incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Assim, são sete os concelhos que irão permanecer na segunda fase do plano de desconfinamento: Alandroal, Albufeira, Beja, Carregal do Sal, Figueira da Foz, Marinha Grande e Penela. 

Um terceiro nível, em que o plano de desconfinamento avança para a terceira fase, tal como anunciado aquando da sua apresentação. Assim, nos restantes concelhos do continente (onde se inclui o de Alcanena), além das medidas em vigor desde 5 de abril, aplicam-se as seguintes:
Permite-se a abertura de:

  • Todas as lojas e centros comerciais;
  • Restaurantes, cafés e pastelarias (com o máximo 4 pessoas por mesa no interior ou 6 por mesa em esplanadas), até às 22h30 nos dias de semana ou 13h nos fins-de-semana e feriados;
  • Cinemas, teatros, auditórios, salas de espetáculos;
  • Lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação.

Autoriza-se a prática de:

  • Modalidades desportivas de médio risco;
  • Atividade física ao ar livre até 6 pessoas;
  • Realização de eventos exteriores com diminuição de lotação (5 pessoas por 100 m ²); 
  • Casamentos e batizados com 25% de lotação.

Mais sobre COVID-19

COMUNICADO AQUANENA | INTERRUPÇÃO de abastecimento de água em ALCANENA e TOJAL | 15 ABR

Comunica-se à população de ALCANENA e TOJAL que vai ser efetuada interrupção temporária no abastecimento de água, no dia 15 de abril de 2021.

A interrupção deve-se a MOTIVO INADIÁVEL POR INTERVENÇÃO TÉCNICA.

Vão ser afetadas as seguintes zonas:

– Rua Dom Nuno Álvares Pereira e envolvente (Rua Prof. Abílio de Matos | Rua Dr. Crispim | Rua Joaquim Inácio Bento Júnior | Avenida Rainha D. Maria I)

– Parte do Tojal

Estima-se que a normalidade seja reposta até às 17h00. 

A AQUANENA tudo fará para antecipar o restabelecimento do serviço.

Caso necessite de algum esclarecimento adicional, poderá contactar os serviços da AQUANENA, através do telefone 249 899 414 ou do email servico.clientes@aquanena.pt.

A AQUANENA agradece a compreensão da população afetada pelos eventuais transtornos causados.

Mais avisos

Aviso – eBalcão CENSOS 2021 – Correção

Informa-se toda a população da freguesia que a Junta de Freguesia tem ao serviço da população o eBalcão para apoio na resposta aos Censos 2021, a funcionar, a partir do dia 19 de abril, nos seguintes locais e horários:

DiasHorárioLocal
SegundasDas 9:30h às 12:00hAlcanena – Edifício da Junta – Largo António Machado Batista, n.º 6
TerçasDas 9:30h às 12:00hVila Moreira – Rua Professora Ermelinda Duarte Carvalhão n.º 90
QuartasDas 9:30h às 12:00hAlcanena – Edifício da Junta – Largo António Machado Batista, n.º 6

Ver mais

Site Censos 2021

Censos 2021 – Fases do Processo

Os Censos 2021 estão aí:

Até ao próximo domingo, dia 18 de abril, o recenseador irá passar por todas as casas e entregar uma carta com os respetivos códigos.

A partir da próxima segunda feira, dia 19 de abril, poderá responder pela internet.

Como responder pela internet?

1 – Tenha condigo a carta do Instituto Nacional de Estatística – INE e aceda à plataforma censos2021.ine.pt.

2 – Digite o código e a password indicados na carta.

3 – Responda às perguntas e quando terminar selecione “ENTREGAR”. (O sistema irá devolver um comprovativo de resposta que deve guardar).

Se não tiver condições para responder pela internet

  • Solicite apoio de familiares ou amigos para resposta ao inquérito online;
  • Dirija-se à sua Junta de Freguesia com a carta do INE, nos dias e horários reservados;
  • Aguarde nova passagem do Recenseador;
  • Telefone para a linha de apoio 210 542 021.

Contamos com a sua resposta pela Internet, preferencialmente até dia 3 de maio.

Ver mais

Aviso – eBalcão CENSOS 2021

Informa-se toda a população da freguesia que a Junta de Freguesia tem ao serviço da população o eBalcão para apoio na resposta aos Censos 2021, a funcionar, a partir do dia 19 de abril, nos seguintes locais e horários:

DiasHorárioLocal
SegundasDas 9:30h às 12:00hAlcanena – Edifício da Junta – Largo António Machado Batista, n.º 6
TerçasDas 9:30h às 12:00hVila Moreira – Rua Professora Ermelinda Duarte Carvalhão n.º 90
QuartasDas 9:30h às 12:00hAlcanena – Edifício da Junta – Largo António Machado Batista, n.º 6

COMUNICADO | Interrupção temporária no abastecimento de água em ALCANENA

Comunica-se à população de ALCANENA que vai ser efetuada a interrupção temporária do abastecimento de água, no dia 08 de abril de 2021.

A interrupção deve-se a ROTURA no local.

Prevê-se que sejam afetadas as seguintes áreas:

  • Zona História de Alcanena (Praça Marechal Carmona | Rua José Alves Anastácio | Rua Justino Guedes | Rua Gago Coutinho)

Estima-se que a normalidade seja reposta até às 18h00. 

A AQUANENA tudo fará para antecipar o restabelecimento do serviço.

Caso necessite de algum esclarecimento adicional, poderá contactar os serviços da AQUANENA, através do telefone 249 899 414 ou do email servico.clientes@aquanena.pt.

A AQUANENA agradece a compreensão da população afetada pelos eventuais transtornos causados.

Mais avisos

DAVA TUDO PARA O TER DE VOLTA?

Diariamente, cães e gatos fogem de suas casas ou afastam-se de seus tutores acabando por se perderem.

Outros são furtados e quando encontrados na posse de terceiros, dificilmente os legítimos tutores conseguem fazer prova de que se trata do seu animal de estimação.

A realidade é que dos inúmeros animais que se perdem diariamente nem todos são recuperados, sendo diverso o seu destino: uns morrem atropelados ou envenenados, outros terminam nas ruas em matilhas ou colónias, outros acabam em abrigos de associações ou em Centros de Recolha Oficiais, muitos dos quais, o resto das suas vidas.

A maioria dos casos de não recuperação de animais de companhia estão associados à falta de coleira com identificação, a passeios sem trela, a acesso ao exterior desacompanhados do tutor. Por outro lado, a probabilidade de recuperar um animal perdido é maior caso ele se encontre microchipado.

É neste contexto que surge a actual campanha do Observatório Nacional para a Defesa dos Animais, que tem por objectivo proteger o bem-estar destes animais através da sensibilização dos detentores de cães e gatos para o cumprimento do dever de guarda e vigilância que a legislação lhes impõe e para a importância da colocação de microchip nos animais de estimação.

A campanha “DAVA TUDO PARA O TER DE VOLTA?”, que apesar de arrancar já com a colaboração nomeadamente de algumas autarquias, associações e órgãos de comunicação, é aberta a todos os que queiram participar e culmina com uma brochura informativa sobre esta temática na qual se fará referência a todas as entidades aderentes.

São destinatários da campanha os detentores de animais de companhia que descuram as normas legais e/ou o dever de vigilância, i.e., todos aqueles que:

– não tenham os animais microchipados;

-não colocam coleira de identificação nos animais;

– passeiam os animais sem trela;

– dão acesso ao exterior a gatos sem microchip ou identificados.

Com a presente campanha é nosso principal objectivo contribuir para:

– a protecção do bem-estar dos animais face aos riscos que correm em caso de perda;

– evitar sobrelotação de CROS e abrigos privados permitindo a devolução de animais perdidos aos seus detentores;

– evitar ninhadas indesejáveis decorrentes de encontro de animais silvestres e animais com detentor por esterilizar, que acabam por determinar –  o abandono e/ou a formação de matilhas e de colónias.

– prevenir ataques de canídeos, a pessoas e animais nomeadamente a gatos de colónias.