Rastreio Gratuito do Cancro da Mama em Alcanena

de 28 de março a 1 de abril

O Núcleo Regional do Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC), em parceria com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e o ACES Médio Tejo, anuncia a continuidade do Rastreio do Cancro da Mama no Município de Alcanena.
O rastreio irá decorrer na Unidade Móvel da LPCC de 28 de março a 01 de abril junto ao Centro de Saúde de Alcanena, das 09h às 12h30 e das 14h às 17h30.

As mulheres do município, elegíveis para o rastreio (50-69 anos), vão poder contar com uma equipa técnica especializada na área do cancro da mama e com equipamentos digitais novos que potenciam uma melhor qualidade do diagnóstico.

Sobre o rastreio
O rastreio é de base populacional, para mulheres entre os 50 e os 69 anos e realiza-se por convite, de 2 em 2 anos. No Núcleo Regional do Sul, teve início em 1997 e, gradualmente, foi sendo feito o seu alargamento. Até hoje, já se realizaram cerca de 5 milhões de mamografias a nível nacional e cerca de 1 milhão de mamografias na região Sul.

De acordo com um inquérito lançado pelo NRS-LPCC, 97% das utentes do rastreio do cancro mama sentiram-se seguras com as medidas adotadas nas instalações e com a equipa técnica, durante a pandemia COVID-19. O NRS-LPCC garante que todos os procedimentos de segurança e higienização vão continuar a ser feitos para manter o bom funcionamento do rastreio durante o atual período de pandemia.

Saiba mais sobre o processo neste vídeo

Nota: vídeo realizado pré-pandemia. Os nossos serviços estão a funcionar segundo as regras de funcionamento em segurança, com os equipamentos de proteção individual (EPI) e os produtos de proteção Organizacional (PPO), adaptados a cada área segundo normas da DGS, recomendações da Kmed que nos presta serviços na área de medicina, higiene e segurança no trabalho.
As nossas recomendações em termos de EPI são adaptadas a partir da Norma 007/2020 Prevenção e Controlo de Infeção por SARS-CoV-2 (COVID-19): Equipamentos de Proteção Individual (EPI), tendo também em conta as práticas atuais do IPO de Lisboa e dos CSP.

Deixe uma resposta