Declaração de Existências de Suínos (DES) – Período obrigatório de declaração – dezembro de 2019

No mês de dezembro, decorre mais um período obrigatório de Declarações de Existências de Suínos (DES), conforme Aviso PCEDA (Plano de Controlo e Erradicação da Doença de Aujeszky), da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, publicado neste portal.

A declaração das existências de suínos poderá ser efetuada diretamente pelo produtor na Área Reservada do portal do IFAP, ou em qualquer departamento dos Serviços de Alimentação e Veterinária Regionais ou ainda nas organizações de agricultores protocoladas com o IFAP, através do Modelo 800/DGV desmaterializado.

Para o efeito, deverão ser seguidas as instruções constantes no Portal da DGAV

INFORMAÇÃO VESPA VELUTINA – Nova plataforma on-line de Informação: STOPVESPA

A ferramenta STOPvespa (stopvespa.icnf.pt) visa apoiar a identificação e o controlo da vespa asiática (Vespa velutina) em Portugal Continental. Através da georreferenciação online dos avistamentos e dos ninhos desta espécie exótica invasora, esta ferramenta contribui para a comunicação entre a população, os técnicos dos municípios e a administração central, bem como para o apoio à gestão desta problemática e à tomada de decisão.

A ferramenta STOPvespa apoia a monitorização da distribuição e da expansão da vespa asiática, através da geolocalização online de avistamentos e de ninhos num servidor de mapas.

Cada observação é importante para monitorizar a expansão da vespa asiática, contribuindo para uma mais rápida localização e remoção dos ninhos.

Através do link http://stopvespa.icnf.pt abrir-se-á uma página com informação sobre a nova ferramenta online, que incluirá os acessos aos dois formulários que a integram: cidadãos e municípios.

Para mais informações deverá contactar o ICNF, através dos contactos habituais (vespa@icnf.pt  ou  213 507 900).

Edital – Recenseamento Agrícola 2019.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) informa que está em curso, nesta Freguesia, a recolha de dados para o Recenseamento Agrícola 2019.

Os dados são recolhidos através de uma entrevista presencial, efetuada ao agricultor por entrevistadores devidamente identificados.

Confidencialidade das informações individuais
A resposta ao Recenseamento é obrigatória e confidencial (Lei 22/2008, de 13 de Maio).
As informações individuais constituem segredo profissional para os entrevistadores e para todos os outros profissionais envolvidos no Recenseamento.

A colaboração dos agricultores é indispensável
A produção de estatísticas fiáveis depende da qualidade das respostas fornecidas ao INE. Estatísticas corretas permitem a adoção de medidas mais adequadas a uma boa planificação e ao desenvolvimento do sector agrícola.

Senhor Agricultor,
A sua resposta é muito importante!
Colabore respondendo de forma exata e verdadeira aos inquéritos do INE e, muito particularmente, ao Recenseamento Agrícola 2019.

Para esclarecimentos, o INE tem disponível:
Nº verde: 800 10 2019 | E-mail: ra2019@ine.pt

Esclarecimento acerca das competências licenciadoras de animais de companhia pelas Juntas de Freguesias

Informação da Direção-Geral das Autarquias Locais

Em virtude da existência de interpretações que têm surgido acerca da perda de competências das juntas de freguesia por via da entrada em vigor do Decreto-Lei nº 82/2019, de 27 de junho, e, de acordo com orientações do Senhor Secretário de Estado das Autarquias Locais, cumpre esclarecer:

– O Decreto-Lei nº 82/2019, de 27 de junho não introduz qualquer restrição às competências licenciadoras de animais de companhia por parte das juntas de freguesia pois a Lei nº 75/2013, de 12 de setembro, diploma que contém o regime jurídico das autarquias locais e que, não podendo ser alterado por ato legislativo do Governo, continua a mencionar as competências das juntas de freguesia para o registo e licenciamento de canídeos e gatídeos.

– Por essa razão, não é admissível qualquer interpretação que envolva uma restrição das competências das juntas de freguesia nesta matéria e por via da entrada em vigor do decreto-Lei nº 82/2019, de 27 de junho.

– Por este motivo também, no âmbito da respetiva autonomia local e com base na mencionada alínea nn) do nº 1 do artigo 16º do Anexo I à Lei nº 75/2013, de 12 de setembro, as freguesias mantêm a competência para regulamentarem, como já acontecia, os termos do registo e licenciamento dos canídeos e gatídeos, incluindo a fixação das respetivas taxas a aprovar pela assembleia de freguesia nos termos do regime das taxas das autarquias locais – Lei nº 53-E/2006, de 29 de dezembro.

24.10.2019

Constrangimentos no abastecimento de água em Alcanena – 25-10-2019

Comunica-se à população de Alcanena, que devido a uma rotura, haverá constrangimentos e, eventuais cortes, no abastecimento de água, nas seguintes zonas e envolventes:

– Rua do Tojal

Estimamos que a normalidade seja reposta pelas 12h.Tudo faremos para antecipar o restabelecimento do serviço.

Em caso de necessitar de esclarecimentos, deve contatar os nossos serviços:

por telefone 249 899 414

por email geral@aquanena.pt

Pede-se a compreensão da população afetada. Lamentamos o incómodo que possamos causar com estas intervenções que visam melhorar a qualidade do serviço prestado.

Constrangimentos no abastecimento de água em Alcanena – 15-10-2019

Comunica-se à população de Alcanena, que devido a uma rotura, haverá constrangimentos e, eventuais cortes, no abastecimento de água, nas seguintes zonas e envolventes:
– Ponte Pedra;
– Rua Coronel Salgueiro Maia;
– Rua Corredoura;
– Rua Sobre Penedo;
– Rua da Loureira;
Estimamos que a normalidade seja reposta pelas 18h.Tudo faremos para antecipar o restabelecimento do serviço.
Em caso de necessitar de esclarecimentos, deve contatar os nossos serviços:

Pede-se a compreensão da população afetada. Lamentamos o incómodo que possamos causar com estas intervenções que visam melhorar a qualidade do serviço prestado.

Prevenção dos efeitos do calor

Recomendações para grupos vulneráveis

Algumas pessoas são mais vulneráveis aos efeitos do calor intenso e exigem uma atenção especial e medidas específicas para estarem protegidas, nomeadamente:

  1. Crianças nos primeiros anos de vida
  2. Pessoas com 65 ou mais anos
  3. Portadores de doenças crónicas
  4. Pessoas que desenvolvem atividade no exterior, expostos ao sol e/ou ao calor
  5. Praticantes de atividade física
  6. Pessoas isoladas e em carência económica e social

1 – Crianças nos primeiros anos de vida
Bebés e crianças pequenas são especialmente sensíveis aos efeitos do calor intenso e dependem dos adultos para se manterem seguros. Proteja-os do calor intenso.
Principais cuidados a ter:

  • Vestir a criança com roupas leves, soltas e de cor clara. Não esquecer o chapéu quando estiverem ao ar livre
  • Dar água com mais frequência e certificar-se de que bebe mais água do que o habitual
  • Evitar a exposição direta ao sol, especialmente entre as 11 e as 17 horas
  • Aplicar protetor solar antes de sair de casa
  • Nunca deixar o seu bebé/criança dentro de um carro estacionado ou outro local exposto ao sol, mesmo que por pouco tempo
  • Consultar o seu médico se a criança tiver diarreia ou febre e ter especial cuidado com a hidratação
  • Procurar assistência médica imediatamente sempre que identifique sinais de alerta como: suores intensos; fraqueza; pele fria, pegajosa e pálida; pulsação acelerada ou fraca; vómitos ou náuseas; desmaio

2 – Pessoas com 65 ou mais anos
O calor é especialmente perigoso para as pessoas idosas, que pode ter menos perceção nas alterações associadas ao calor. É frequente não sentir sede o que leva a uma menor ingestão de líquidos. Por outro lado, o organismo pode não ter a mesma capacidade para realizar a termorregulação necessária para prevenir os efeitos negativos do calor intenso na saúde.
Principais cuidados a ter:

  • Beber água, mesmo quando não tem sede
  • Permanecer em ambientes frescos ou com ar condicionado
  • Sempre que necessário procurar locais climatizados
  • Evitar a exposição direta ao sol
  • Usar roupas leves, soltas e de cor clara e a utilização de chapéu e protetor solar
  • No período de maior calor tomar um duche de água tépida
  • Fazer refeições mais leves e comer mais vezes ao dia
  • Evitar a utilização do forno ou de outros aparelhos que aqueçam a casa
  • Ter contacto de alguém atento e disponível (familiar, amigo, vizinho)
  • Consultar o seu médico em caso de doença crónica ou se estiver a fazer uma dieta com pouco sal ou com restrição de líquidos

3 – Portadores de doenças crónicas
As pessoas com doença crónica são mais vulneráveis aos efeitos do calor, pelo que é necessário ter cuidados especiais. É o caso das pessoas com diabetes, doença cardíaca, vascular, respiratória, renal, mental e ainda das que tomam medicamentos que diminuem a sensação de calor ou provocam retenção de água ou de sal (anti-hipertensores, antidepressivos, antipsicóticos e medicamentos para a doença de Parkinson, entre outros).
Principais cuidados a ter, salvo indicação médica:

  • Beber água, mesmo não sentindo sede
  • Permanecer em ambientes frescos ou com ar condicionado
  • Evitar a exposição direta ao sol
  • Usar roupas leves, soltas e de cor clara e utilizar chapéu e protetor solar
  • Usar menos roupa na cama, em especial pessoas com fraca mobilidade ou acamadas
  • No período de maior calor, tomar um duche de água tépida
  • Evitar a utilização do forno ou outros aparelhos que aqueçam a casa
  • Ter alguém atento e disponível (familiar, amigo, vizinho)
  • Se tiver algum sinal ou sintoma associados ao calor, procurar cuidados médicos de imediato
  • Evitar a exposição dos Medicamentos a temperaturas elevadas

4 – Pessoas que desenvolvem atividade no exterior, expostos ao sol ou calor
Pessoas directamente expostas ao calor, têm maior risco de desidratação ou problemas associados ao calor.
Principais cuidados a ter:

  • Beber água frequentemente
  • Evitar consumir líquidos com muito açúcar e bebidas alcoólicas
  • Usar equipamento leve e protetor solar desde que seja possível e seguro
  • Nas pausas aproveite para arrefecer, se possível em locais com ar condicionado
  • Tente desenvolver a sua atividade com outros colegas por perto
  • Procure apoio médico de imediato se algum dos seus colegas se sentir mal

5 – Praticantes de atividade física
Mesmo as pessoas saudáveis podem sofrer as consequências negativas do calor intenso. Se costuma realizar atividade física, não descure os cuidados a ter em situação de calor intenso.
Principais cuidados a ter:

  • Começar e terminar a atividade física de forma lenta e gradual
  • Optar pela manhã cedo ou pelo final do dia e evite as horas de maior exposição solar, entre as 11h e as 17h
  • Beber água frequentemente: antes, durante e no final da prática de atividade física. Se transpirar muito, opte por uma bebida com eletrólitos (bebidas para desportistas)
  • Evitar consumir líquidos com muito açúcar
  • Realizar atividade física com companhia
  • Parar de imediato a atividade se sentir fraqueza ou sensação de desmaio

6 – Pessoas isoladas e em situação de carência económica e social
No que respeita a pessoas isoladas e em situação de carência económica e social que necessitem de apoio institucional ou de apoio de pessoas próximas, devem ser consideradas as recomendações gerais, sendo de destacar alguns cuidados específicos.
Principais cuidados a ter:

  • Contactar de forma periódica, verificando o estado de saúde das pessoas isoladas, em carência económica e social, frágeis ou com dependência. Deverá ser realizado um contacto pelo menos duas vezes por dia
  • Informar sobre locais climatizados
  • Informar sobre as condições climatéricas

Nota: Informações retiradas do site da DGS www.dgs.pt